terça-feira, 8 de maio de 2012

Crítica: O Fim da Infância.


O Fim da Infância, de Sir Arthur C. Clarke, não trata, como pode indicar o título, da infância, ao menos não da maneira como a entendemos. Obra seminal da Ficção Científica "Hard", O fim da infância traz uma "invasão" alienígena benevolente, sem qualquer fazer disso uma trama de resistência contra o invasor, ou uma trama de conspiração, como na série de TV "V", ou a série 3 de Torchwood, "Children of Earth" (ambas britânicas, diga-se de passagem).

Ao invés disso, Clarke usa o contato da humanidade com os misteriosos "Senhores Supremos" como pano de fundo para a discussão sobre o lugar do homem no universo, seu futuro, a importância da cultura e da ciência em nossas vidas, e seu fim. Publicado originalmente em 53, O fim da infância é um dos livros da fase mais esotérica de Clarke, tendo um dos raros exemplos de "misticismo" em sua obra que não é explicado como "ciência suficientemente avançada". (Embora talvez o seja, a julgar por The Mad Mind... Não dá para saber se a Mente Cósmica não surgiu da mesma forma que a Mente Insana).



Com uma forma bem tradicional, Clarke usa de uma das estruturas mais básicas e clássicas da narrativa, dividindo o livro em prólogo e três atos (introdução, conflito e resolução), embora cada ato possa ser divido em seus próprios três atos. Notavelmente, O fim da infância carece completamente de um epílogo. Embora peque levemente nos diálogos, um tanto fracos, como é infelizmente comum no gênero, as descrições e a mensagem de Clarke são altamente impactantes. seja em sua "não-comparação" dos novos humanos - os últimos humanos- com cadáveres, ou na maneira como o líder dos Senhores Supremos demonstra a insignificância da sabedoria humana perante a imensidão do cósmos - e posteriormente sua manifestação de sincera preocupação de que a humanidade não siga pelo mesmo caminho - Clarke não peca, não falha e não corta pedaços.

digamos que eles tinham motivos
para se esconder (arte de Wayne
Barlowe).
O prólogo e o primeiro ato focam-se exclusivamente na reação e relação da humanidade aos senhores supremos e sua influência; como tal, é a parte mais fácil de ser entendida, e também a mais "comum". Tão acostumados estamos com o clichê de alienigenas aparentemente bondosos, que é comum nessa parte esperar que os Senhores Supremos revelem-se como canibais, tiranos, ou algo do genêro. Ao invés disso, o líder dos Senhores, Karellen, traz uma verdadeira, e sincera, utopia para a humanidade, com apenas duas restrições : O espaço eexterior não pertence aos humanos, seu lugar é na terra, e o fim de toda e qualquer pesquisa relacionada, mesmo que tangencialmente com certos temas específicos. O ato encerra-se no momento em que, após 50 anos de mistério, Karellen e seus compatriotas abandonam suas naves, e revelam-se para a humanidade.

O ato seguinte lida com a humanidade um tanto apática, com todas as suas necessidades atendidas pelos senhores supremos, e o desenvolvimento de uma "nova humanidade", reviravolta esperada pelos Senhores Supremos. Dois personagens servem de foco aqui : Jeffrey Greggson, o primeiro dos novos homens, e Jan Rodricks, um jovem movido a necessidade de conhecer o espaço. É aqui que o livro encontra sua força; O desenvolvimento dos dons de Jeff, e seu crescente isolamento da humanidade contrastam com a representação triste da sociedade dos senhores supremos presenciada por Jan. De um lado, temos Jeff e os outros pós humanos emergentes, tão sublimados que o mundo físico não lhes tem mais significado, e do outro, o planeta natal dos senhores supremos, onde, apesar de todo o conhecimento e tecnologia, vemos uma espécie que está tão sem rumo, que a extinção lhes parece agradável.

Antes da total alienação de Jeff, é em seus sonhos que se vê a grande inspiração de Clarke, pois a viagem mental de Jeff, por planetas distantes e fantásticos remete de imediato ao livro "Star Maker", de Olaf Stapledon; e é na enigmática mente cósmica do 3º ato que se vê a manifestação máxima dessa inspiração. Enquanto Jeff viaja pelo cosmo em seus sonhos, enquanto ainda mantém contato com seus pais, o narrador de Star Maker explora mentalmente o universo. Mas se Jeff o faz como preparação subconsciente para unir-se a mente cósmica, o narrador em Star Maker torna-se a mente cósmica no término de sua viagem.

Esse ato final inicia-se quando Jan retorna a Terra, após 80 anos, que, graças a dilatação do tempo por viajar próximo a velocidade da luz, para ele foram apenas alguns meses, passados no lar dos Senhores Supremos. Ao retornar para a Terra, Jan, sem motivos para esticar sua existência ainda mais, torna-se o "documentarista" do fim. Em um dos textos mais belos da ficção científica, os Senhores Supremos narram a Jan o fim da humanidade, resumido tristemente em uma única frase : "Era um fim que nenhum profeta jamais previra... um fim que repudiava igualmente o otimismo e o pessimismo".

A ideologia de Clarke, em sua juventude, não meramente transparece, mas permeia o texto. Independente de concordar ou discordar do autor, o fim da humanidade, não, da Terra, como descrito em o Fim da Infância é de fato ambívalente : por um ponto, é o fim, e não há dúvidas disso. Por outro, em seus espasmos de morte, a humanidade gerou algo superior, e sem qualquer comparação com o que antecedeu-a. Alguns podem ver esse final como sendo o mais deprimente da história. Outros, podem vê-lo como algo a ser almejado; inevitável que cause impacto, tamanho o choque que causa, com a expectativa comum de que, de alguma maneira, o "herói" salve o dia.

5 comentários:

  1. Eu ainda nem comecei a ler Blindsight e você já está resenhando "O fim da Infância", assim não dá. Brincadeiras a parte, não existe "velho" e nem "ultrapassado" em ficção científica, não? Um livro da década de 20 vira filme Blockbuster esse ano...o Planeta dos Macacos do original francês da década de 50, até hoje é revisitado e agora o menino Pedro , fala de Arthur C. Clarke! Viva a literatura de qualidade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Heh, se eu continuar lendo no meu ritmo atual, semana que vem eu resenho Duna! e depois Forever War! MWAHAHAHAHAHAHHAHAHHAHAH

      Ou algumas coisas obscuras, tipo Man of Many Minds, Someone Comes to Town, Someone Leaves Town, ou Butcher Bird...

      Excluir
  2. Bom post!
    Não conhecia esse livro do C Clark.
    Parece ser interessante embora FC hard por vezes mace um bocado...
    Espero por Dune!
    :)

    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente li esse """livro""" ano passado, dava pra fazer uma tese sobre tudo que ele tem de errado, mas a cereja do bolo é quando os capirotos do espaço mostram porque os humanos não podem ir para o espaço, é simplesmente a coisa mais idiota publicada em toda a historia da humanidade.

    ResponderExcluir
  4. Devo começar a ler a série no ano que vem.

    ResponderExcluir