quarta-feira, 7 de setembro de 2011

E não é que o novo Scooby-Doo acabou sendo ótimo?



Bem, a temporada acabou no mês retrasado, e eu terminei de assistir há três semanas, e preciso dizer, estou surpreso: o mais recente desenho do Scooby-Doo, Mysteries Incorporated, é uma série legitimamente boa - coisa que é francamente dificil dizer de Scooby-Doo, uma franquia marcada por um humor acidental, personagens unidimiensionais, e roteiros mais repetidos do que uma partida de pong. Tudo isso era envolto na clássica animação ruim da Hannah Barbera - contra a excelente e fluída animação do novo desenho.


Pela primeira vez, o foco deixa de ser a dupla Salsicha e Scooby - reduzido praticamente a um artefato de produção, figurando no título mais por tradição do que por qualquer coisa - e o restante da mistérios limitada tem seu tempo no foco. Se antes a personalidade de todos podia ser definida com apenas uma palavra - Fred o lider, Welma a esperta, Daphne a... beldade? Ela tinha ALGUMA personalidade antes? E o Salsicha e o Scooby juntos dividindo "guloso" e "covarde", agora a situação é bem diferente.

Um Fred bobalhão, obcecado com armadilhas, e emocionalmente imaturo, uma Daphne que, embora definida pelo relacionamento com Fred, consegue ter seus momentos de desenvolvimento sincero - e marcada por um complexo de inferioridade em relação as irmãs, altamente bem sucedidas. Até o Salsicha ganha profundidade e conflito interno, inicialmente na tentativa de equilibrar as coisas entre amizade e namoro - mas é a Welma que mais ganha em personalidade - do sarcasmo incessante, a inesperada relação com o Salsicha - e o fim um tanto humilhante desta relação (trocada por um cachorro... pobre Welma), até o complexo de superioridade, mascarando (e ampliando) uma total falta de trato social, Welma definitivamente foi quem mais ganhou em personalidade. E o novo traço da série lhe rendeu bons pontos em aparência - a versão atual da antes "nerd gordinha e feia" é simplesmente adorável. Apenas Scooby ficou na mesmice, e a esperança é que a segunda temporada salve o personagem.

E falando em segunda temporada, a trama de "Mysteries Incorporated" é excelente - desde os episódios "normais", do monstro da semana, até os vários episódios da trama central da série, o roteiro é marcado por um misto de humor nostalgico, sarcastico e auto referncial, com personagens excentricos, vilões que realmente parecem ameaçadores, e reviravoltas inesperadas - incluindo um final de temporada surpreendente, com o que certamente é o mais perverso vilão desde o início da franquia. E tudo isso sem ter que apelar para o sobrenatural e ignorar o tradicional ceticismo de Scooby Doo, que rendeu elegios do grande Carl Sagan. Junte isso com uma estética apropriadamente apelidade de "Cyberfunk" - alta tecnologia, com todo o espirito dos anos 60 e 70.

Destaques no elenco secundário vão para o Xerife Bronson Stone, sempre hilário - e cujo nome sempre será Xerife Bronson Stone "pois esse foi o nome que minha mamãe me deu, quando eu nasci, pensando no futuro" -  a EXTREMAMENTE anos 70 Angel Dynamite - DJ, apresentadora, informante, e "badass" em geral. O prefeito Fred Jones Sr, uma das figuras mais gananciosas e corruptas a assumir uma prefeitura no Cartoon Network, e o assustador Professor Péricles - um papagaio cinzento que é o mais próximo de Hannibal Lecter que o CN já produziu, e certamente o vilão da segunda temporada. Além disso, a série finalmente dá tempo aos PAIS "dessas crianças intrometidas". E o pouco utilizado professor H.P. Hatecraft, autor de "Chor Gor Gothakan, a besta que não tinha nome".

Mysteries Incorporated está passando no Cartoon Network brasileiro, e pode ser visto completo pelo youtube (em inglês). Vale muito apena.

Nenhum comentário:

Postar um comentário